Lucas Vicente e Anne dos Santos são os campeões do Rip Curl Grom Search 2017

Lucas Vicente e Anne dos Santos são os campeões do Rip Curl Grom Search 2017

NUM DOMINGO DE EMOÇÕES NA PRAIA DE MARESIAS, CAUÃ COSTA FATUROU A CATEGORIA INICIANTE, ENQUANTO QUE ROBERTO ALVES LEVOU NA GROMMET

                                                                                                                                                            

   

Num domingo de muitas emoções e com o mar reagindo com boas ondas, os campeões do Rip Curl Grom Search 2017, apresentado por Guaraná Antarctica, foram definidos na 3ª e última etapa, na Praia de Maresias, em São Sebastião. Depois de um sábado praticamente sem ondas, a competição recomeçou neste domingo (12) com o mar subindo e disputas de alto nível entre os melhores surfistas da nova geração do surf brasileiro.

Na mirim (sub 16), o catarinense Lucas Vicente faturou o título ao avançar para a semifinal, logo depois de seus dois principais rivais perderem. Já na feminina (também com limite de 16 anos), a disputa foi até a final, com a carioca radicada na Austrália, Anne dos Santos, levando a melhor.

Os dois atletas garantiram as vagas para a final internacional do evento, que será disputada em 2008, em algum lugar do mundo, ganhando as passagens aéreas e a hospedagem durante as disputas, oferecidas pela Ocean Travel. Também na etapa foram conhecidos os campeões da iniciante (14 anos para baixo), com o cearense Cauã Costa, repetindo o segundo lugar das duas outras etapas, e na grommet (até 12 anos), com o santista Roberto Alves, o único que torceu da areia pelo resultado.

Cauã foi um dos destaques fazendo duas finais (além da iniciante foi quarto na mirim) e Eduardo Motta, de Guarujá, o vencedor da mirim, dono da melhor atuação no evento, um 9,5. O potiguar Mateus Sena garantiu a maior somatória, com 16,50 pontos de 20 possíveis. Outra grande comemoração foi do potiguar radicado em Maresias, Fabrício Rocha, vitorioso na iniciante, com uma grande festa dos companheiros do Instituto Gabriel Medina. Outro vitorioso foi o paulistano Ryan Kaianalo, recém-chegado do Havaí, na grommet.

A competição começou sábado, reunindo 120 atletas de oito estados e às 14 horas foi interrompida por falta de ondas. A organização ainda aguardou uma possível melhora, mas as disputas só recomeçaram domingo. Com muitas baterias para entrarem na água, a alternativa foi a realização de disputas simultâneas em dois picos em frente ao palanque, montado junto ao recém-inaugurado Instituto Gabriel Medina.

No decorrer o dia, as condições foram melhorando, para garantir grandes atuações. O primeiro título definido foi na grommet. Robertinho perdeu logo em sua estreia ainda no sábado e ficou de fora na expectativa de ninguém ultrapassá-lo. Os adversários diretos foram perdendo e na final apenas o carioca Pedro Henrique tinha chance de erguer a taça, desde que vencesse, mas ficou em quarto.

“Estava muito nervoso, mas acabou dando tudo certo. Fiquei muito feliz com esse título, que muitos nomes importantes já conquistaram”, vibrou o novo campeão sub12. Na final, Ryan dominou completamente a bateria, com notas 7,35 e 7,25. O catarinense Noah Machado foi o segundo, com Guilherme Fernandes, talento local do IGM, em terceiro e Pedro Henrique em quarto.

Na iniciante, o catarinense Leo Casal chegou como favorito, por ser o único com duas vitórias no Circuito, mas ele foi derrotado, numa virada emocionante de Fabrício Rocha, faltando dois segundos. Assim, Cauã, precisava ser segundo ou primeiro para levantar o caneco.

A decisão foi acirrada e Fabrício levou a melhor, numa grande festa na areia com seus companheiros de instituto. Cauã ficou em segundo, resultado suficiente para também comemorar, com os catarinenses Heitor Mueller em terceiro e Luiz Mendes em quarto. “Estou muito feliz em ser campeão do Circuito. Parabéns para todo mundo. Eu esperava muito essa conquista. Na primeira etapa eu fiquei em segundo e fiquei confiante. Chegou meu momento”, disse o surfista de 13 anos, que é de Caucaia e mora no Rio de Janeiro há um ano.

Definidos os dois campeões mais novos, as atenções se voltaram para os sub16 e, claro, os futuros representantes do Brasil na final mundial. Na feminina, eram três concorrentes empatadas matematicamente e Maju Freitas perdeu na semifinal, ficando a disputa entre Anne e Carol Bonelli, vice-campeã em 2016 e com a vantagem de treinar em Maresias, por fazer parte do IGM.

Mas na final, a brasileira que mora em Sydney fez a melhor nota da categoria em todo o evento, um 8,25, explorando bem a onda, trocando a borda e indo até a beira. Carol ainda reagiu e terminou em segundo. Julia Duarte, também do Rio de Janeiro, foi a terceira e a gaúcha Yasmin Dias completou o pódio. “Fiquei muito nervosa nos últimos minutos. Fiquei muito feliz”, falou a campeã, que comemorou o resultado com a tia, Ananda, que a ensinou a surfar na Austrália, e o pai, Mário.

“Vim visitar ele e acabei competindo no Circuito. Foram as primeiras competições que meu pai acompanhou e foi muito legal. Fiquei muito emocionada”, disse. “Agora vou falar lá em Sydney: Sou brasileira galera. Tomem cuidado!”, brincou sobre ser a campeã no Brasil.

Na mirim, a briga também estava acirrada e foi definida ainda no round 3, com dois candidatos ao título, Leo Barcelos (campeão em 2016 e vice-líder este ano) e Daniel Templar, terceiro colocado, perdendo na mesma bateria. Na sequência, Lucas Vicente surfou bem e avançou para a semi, numa das melhores baterias do dia, também reunindo Cauã Costa, Fernando John John e Luan Hanada.

“Eu estava bem nervoso. Sabia que tinha de passar. Eu tinha tudo nas minhas mãos. Nem tinha visto nada. Pensava que eles tinham passado. Graças a Deus foi tudo certo. Agora vou representar o Brasil nessa final para trazer o caneco para cá. Esse título era o que mais estava buscando. Era o único que não tinha aqui no Brasil. Sempre batia na trave. Voltei do Havaí para isso e Deus me recompensou”, comentou o surfista de 15 anos, que mora em Florianópolis.

Na final, Lucas voltou a surfar bem, mas Eduardo Motta, também finalista nas três etapas, estava muito bem, venceu, para terminar o ranking em segundo lugar. Kauê Germano, talento local, ficou em terceiro, com Cauã Costa em sua segunda final, terminando em quarto lugar, para ficar na quinta posição no ranking final.

Para o gerente de marketing da Rip Curl, Fernando Gonzalez, o balanço do Circuito, que também teve etapas em Florianópolis (Joaquina) e Búzios (Geribá) foi positivo, com nível técnico excelente. “Tivemos ótimas condições de ondas neste domingo. A comissão técnica acertou nas decisões em fazer baterias simultâneas, priorizando a mirim e a feminina, que definiam vagas para a final internacional e conseguimos colocar essas duas categorias em ótimas condições”, argumentou.

Além das disputas emocionantes no mar, o evento contou com várias atrações para o público e atletas. Como o palanque foi montado junto ao IGM, os competidores puderam usufruir da estrutura externa da instituição, sobretudo a piscina. Na areia, destaque para o Pico Guaraná, com o surf mecânico, a degustação de misturas Guaraná Antarctica, além da pintura de pranchas dos surfistas pelo artista Marcello Macarrão.

Outra ação que empolgou foi a tenda da Vult Cosmética com maquiagem e pintura de unhas para o público feminino. Também houve a distribuição de mudas nativas e pipas. Também houve a tradicional confraternização com atletas, pais e técnicos, no Hotel Coconut’s, hospedagem oficial do evento. “Essa já é uma tradição, para confirmar que o Rip Curl Grom Search é muito mais do que um campeonato de surf”, completou Fernando Gonzalez.

O Rip Curl Grom Search 2017, apresentado por Guaraná Antarctica, tem os patrocínios de lojas Sul Nativo, 900 Graus e Overboard, com apoios de Jandaia, Vult Cosmética, Ocean Travel, Coconut’s Hotel, prefeituras de Florianópolis, Búzios e São Sebastião e Fundação Municipal de Esportes de Florianópolis. Supervisão da Fecasurf, Feserj e FPS, com assessoria da FMA Notícias e cobertura da Hardcore.

 

RANKING FINAL – APÓS 3 ETAPAS

MIRIM (SUB16)

1 Lucas Vicente/SC – 2.800

2 Eduardo Motta/SP – 2.458

3 Leonardo Barcelos/SC – 2.341

4 Daniel Templar/RJ – 1.943

 

FEMININA (SUB16)

1 Anne dos Santos/RJ (Austrália) – 2.810

2 Carol Bonelli/RJ – 2.700

3 Maju Freitas/RJ – 2.341

4 Rafaela Coelho/SC – 1.968

 

INICIANTE (SUB14)

1 Cauã Costa/CE – 2.700

2 Leo Casal/SC – 2.656

3 Luiz Mendes/SC – 2.195

4 Fabrício Rocha/RN – 1.841

 

GROMMET (SUB12)

1 Roberto Alves/SP – 2.182

2 Gabriel de Souza/SP – 2.087

3 Murillo Coura/SP – 2.041

4 Pedro Henrique/RJ – 1.916

 

 

RESULTADOS OFICIAIS – MARESIAS

MIRIM (SUB16)

1 Eduardo Motta/SP

2 Lucas Vicente/SC

3 Kauê Germano/SP

4 Cauã Costa/CE

 

FEMININA (SUB16)

3 Anne dos Santos/RJ (Austrália)

2 Carol Bonelli/RJ

3 Julia Duarte/RJ

4 Yasmin Dias/RS

 

INICIANTE (SUB14)

1 Fabrício Rocha/RN

2 Cauã Costa/CE

3 Heitor Mueller/SC

4 Luiz Mendes/SC

 

GROMMET (SUB12)

1 Ryan Kainalo/SP

2 Noah Machado/SC

3 Guilherme Fernandes/SP

4 Pedro Henrique/RJ

Related posts