Burle fica em segundo na etapa de Nazaré do Mundial de Ondas Gigantes


Burle fica em segundo na etapa de Nazaré do Mundial de Ondas Gigantes

Pedro Calado, de 20 anos, termina em quarto e assume a vice liderança do ranking da modalidade. Campeonato foi disputado em ondas de 50 pés na Praia do Norte

Por GloboEsporteNazaré, Portugal

Pela primeira vez o Mundial de Ondas Grandes (Big Wave Tour, BWT) da Liga Mundial de Surfe (WSL) desembarcou em Nazaré, Portugal. A Praia do Norte, apesar de já fazer parte do roteiro de ondas grandes dos “big riders”, nunca havia recebido a competição que é disputada na remada, sem o auxílio do jet-ski. No sábado a organização disparou o “alerta verde” e antecipou a chegada de uma ondulação de quase 50 pés – 16 metros – para esta terça. Burle chegou em segundo e Pedro Calado, de 20 anos, assumiu a vice liderança do ranking com a quarta posição.

Carlos Burle Etapa de Nazaré Mundial de Ondas Gigantes (Foto: WSL / Laurent Masurel)Carlos Burle pega onda na final da etapa de Nazaré Mundial de Ondas Gigantes (Foto: WSL / Laurent Masurel)

Sob condições aterrorizantes, o pernambucano Carlos Burle, no auge de seus 49 anos, levou o Brasil ao segundo lugar mais alto do pódio, superado apenas pelo australiano Jamie Mitchel na grande final. Calado é outro brasileiro que se firma cada vez mais no cenário do surfe em ondas gigantes. O “garoto atirado” prova a cada etapa que tem técnica, coragem e saúde para cravar seu nome entre os melhores do mundo por muitos anos e perpetuar o legado de Burle.

– Com todo meu respeito, gostaria primeiro de falar em português aqui. Queria dizer que estou muito feliz, muito emocionado, e quero dedicar esse campeonato à minha esposa Ligia, que é portuguesa e faz toda a diferença na minha vida – Dedicou Burle. – Essa conquista simboliza o carinho e a gratidão que tenho por esse povo. Espero que mantenhamos essa relação para sempre. Obrigado por receberem a gente tão bem aqui – finalizou, no pódio, o principal nome do Brasil na modalidade.

Pedro Calado, que ganhou esse apelido pelo seu temperamento quieto em uma viagem para o Havaí, mencionou a importância do resultado no pódio.

– Estou muto feliz aqui em Portugal, este país que estou conhecendo pela primeira vez e já estou ansioso para voltar. Esse resultado é muito importante para mim no ranking – falou o “garoto atirado” ao ser prestigiado.

O CAMINHO ATÉ A DECISÃO

O formato da competição do Mundial de Ondas Grandes começa com 24 atletas – 4 baterias de 6 surfistas. Os três melhores surfistas de cada bateria compõem as duas semifinais e assim por diante, até a final. Antes de chegarem à decisão, Burle e Calado tiverem boas performances na estreia e depois nas semifinais. Ambos surfaram o suficiente na primeira fase e passaram para o round seguinte na terceira posição em suas baterias. No BWT, a melhor onda de cada surfista é multiplicada por dois e somada à pontuação da segunda melhor onda.

PRIMEIRA FASE

Na segunda bateria da primeira fase, Calado entrou em ação e desceu uma direita enorme com segurança, fazendo a onda até o fim. Nota 4.13. Sem maiores sustos, no mar extremamente perigoso, o brasileiro conseguiu pegar uma outra esquerda e adicionar um 2.23 à pontuação (4.13 x 2 + 2.23 = 10.49), garantindo a classificação.

Pedro Calado - Primeira fase Nazaré Challenge (Foto: Reprodução youtube)Pedro Calado – Primeira fase Nazaré Challenge (Foto: Reprodução youtube)

Na quarta bateria da primeira fase, o veterano Burle, após descer uma esquerda gigante e ser guilhotinado no final da onda, começou com 5.17. Em seguida, ainda teve fôlego para pegar uma direita ainda maior e mais limpa, que lhe rendeu 6.47 (6.47 x 2 + 5.17 = 19.81) e vaga na semifinal.

SIMIFINAIS

Na primeira semifinal, destaque total para o jovem brasileiro, que ficou em primeiro em sua bateria com performance irretocável. Restando sete minutos para o fim, Calado desceu uma direita gigante e conseguiu finalizar a onda, garantindo 5.27. O garoto foi resgatado da zona de impacto pelo jet-ski, voltou à arrebentação e minutos depois completou sua pontuação com um 8, a melhor nota da bateria. Calado remou forte para ganhar velocidade suficiente para entrar na onda e completou um “drop” assustador. Ele completou o movimento e antes de conseguir sair da onda foi engolido pela avalanche de espuma (8 x 2 + 5.27 = 21.27).

Quase invisível, Pedro Calado pega a melhor onda da semifinal (Foto: Reprodução youtube)Quase invisível, Pedro Calado pega a melhor onda da semifinal (Foto: Reprodução youtube)

Na outra semi, o veterano brasileiro passou em segundo após começar sua bateria em uma direita que valeu 6.33. Depois, adicionou ao somatório 1.23, resultado de uma “vaca” espetacular. Sua prancha embicou na parede da onda, Burle foi arremessado e depois engolido pela espuma. Com 15.33 (6.33 x 2 + 1.23), o pernambucano também pulou para a decisão.

Calors Burle - Semifinal Nazaré Challenge (Foto: Reprodução youtube)Calors Burle – Semifinal Nazaré Challenge (Foto: Reprodução youtube)

A GRANDE FINAL 

Os dois brasileiros surfaram apenas uma onda cada na bateria final. Com um mar gigante, com a incisão do vento terral e com balanço constante do oceano, Burle fez 6.50 e Calado 4.67. Mitchel, campeão, conseguiu surfar duas bombas, uma que valeu 8.67 e outra 6.60. Com os resultados, Burle assimiu a quarta posição no ranking mundial de ondas grandes e Calado, revelação e principal “herdeiro” de Burle na modalidade, pulou para vice liderança, atrás apenas do sul africano Grant Baker.

Este é o terceiro evento do BWT disputado na temporada, que só acontece sob critérios rigorosos de situações verdadeiramente extremas – ondulações de no mínimo 30 pés. O primeiro campeonato foi em Pueto Escondido, no México, e o segundo em Pe`ahi, no Havaí. O inverno do hemisfério norte e a iminência da chegada de grandes swells em diferentes lugares faz com que os eventos tenham janelas de competição simultâneas – 15 de outubro a 28 de fevereiro. Uma última edição para esta temporada, em Todos os Santos, no México, segue em espera.

Resultados Nazaré Challenge

Semifinais:

SF 1: Pedro Calado (BRA) 21.27, Nic Lamb (USA) 17.34, Joao De Macedo (PRT) 14.83, Grant Baker (ZAF) 10.30, Aaron Gold (HAW) 9.67, Damien Hobgood (USA) 0.20

SF 2: Jamie Mitchell (AUS) 22.16, Carlos Burle (BRA) 15.33, Antonio Silva (PRT) 10.44, Trevor Carlson (HAW) 6.20, Christian Merello (CHL) 0.20, Hugo Vau (PRT) 0.20

Primeira fase:

Heat 1: Joao De Macedo (PRT) 22.13, Damien Hobgood (USA) 19.00, Aaron Gold (HAW) 11.66, Greg Long (USA) 11.29, Kealii Mamala (HAW) 11.26, Gabriel Villaran (PER) 10.67

Heat 2: Nic Lamb (USA) 14.27, Grant Baker (ZAF) 13.67, Pedro Calado (BRA) 10.49, Alex Botelho (PRT) 9.00, Andrew Cotton (GBR) 6.40, Koa Rothman (HAW) 0.00

Heat 3: Cristian Merello (CHL) 20.83, Trevor Carlson (HAW) 14.36, Antonio Silva (PRT) 12.14, Kai Lenny (HAW) 11.67, Billy Kemper (HAW) 11.39, Nic Von Rupp (PRT) 8.37

Heat 4: Jamie Mitchell (AUS) 25.24, Hugo Vau (PRT) 24.93, Carlos Burle (BRA) 19.81, Will Skudin (USA) 11.73, Ramon Navarro (CHL), 11.66, Tom Butler (GBR) 3.54

RANKING MUNDIAL DE ONDAS GIGANTES – TOP 5

1 – Grant Baker (ZAF) – 25,018 points
2 – Pedro Calado (BRA) – 21,943 points
3 – Greg Long (USA) – 21,921 points
4 – Carlos Burle (BRA) – 18,175 points
5 – Jamie Mitchell (AUS) – 15,690 points